COMPARTILHE
Reprodução / Vale7

Para todos aqueles que têm uma alma rockeira, os 27 anos trazem à tona memórias dos maiores músicos do rock e da história, dos quais fazem parte Jim Morrison, Janis Joplin, Jimi Hendrix, Kurt Cobain e Brian Jones, guitarrista-base e um dos fundadores do The Rolling Stones. Podemos citar, ainda, Amy Winehouse, a diva do Soul com alma rockeira e Robert Johnson, o mais influente cantor de blues da história, principal influência do pai do blues de Chicago, Muddy Waters.

Entretanto, há alguns rockeiros que fizeram grande contribuição ao gênero e a música de forma geral, porém não tiveram a “sorte” de chegar aos 27.

1. John Simon Ritchie-Beverly, ou simplesmente Sid Vicious, foi o principal baixista do Sex Pistols, banda britânica pioneira no punk rock. Sid começou sua carreira no rock como baterista do Siouxsie & the Banshees, importante banda do cenário musical britânico de 1976. Ficou na banda por pouco tempo, não participando da gravação do primeiro disco, The Scream, de 1978. Ainda em 76, Sid assumiu o posto de vocalista da banda The Flowers of Romance, outra importante peça do movimento punk dos anos 70 na Inglaterra, mas que nunca lançou um álbum.

Foi no começo de 1977, quando o então baixista do Sex Pistols, Glen Matlock, saiu da banda e Sid assumiu o posto, participando da gravação do single God Save the Queen e do então único álbum oficial da banda durante sua existência, o clássico Never Mind the Bollocks, Here´s the Sex Pistols. Após o fim da banda e diversas passagens pela cadeia e confusões envolvendo brigas e drogas, em 2 de fevereiro de 1979, Sid, com então 21 anos, foi encontrado morto por uma overdose de heroína, sendo o fim do lendário baixista do Sex Pistols.

Reprodução / Vale7
Reprodução / Vale7

2. Nascido em 6 de dezembro de 1956 em Santa Mônica na California, Randall William Rhoads, também conhecido como Randy Rhoads, foi mais um grande músico que nos deixou cedo. Tendo participando de pequenas bandas desde sua adolescência, em 1973 Rhoads fundou a banda Mach 1, que em 1975 se tornou Quiet Riot, famosa banda norte-americana de Heavy Metal. No quiet Rhoads participou ativamente da gravação dos dois primeiros álbuns da banda, Quiet Riot I e II. Em 1979, após a saída de Kelly Garni, baixista da formação original do Quiet Riot, Rhoads saiu da banda e virou o guitarrista da carreira solo de Ozzy Osbourne, que naquele ano tinha saído do Black Sabbath.

Em 1980, Rhoads gravou o primeiro álbum da carreira solo de Ozzy, Blizzard of Ozz, álbum com as clássicas Crazy Train, Suicide Solution e Mr. Crowley. No ano seguinte, Rhoads gravou também o segundo álbum do Príncipe das Trevas, Diary of a Madman. Foi na manhã de 19 de março de 1982, aos 25 anos, que Randy embarcou num passeio de avião com o então motorista do ônibus de Ozzy, Andrew Aycock, passeio este que após inúmeras manobras arriscadas pelo piloto, levou o pequeno avião a bater com uma das asas no ônibus onde Ozzy estava com sua esposa Sharon, fazendo o avião explodir alguns metros à frente, matando Randy Rhoads e o piloto na hora. Ozzy e Sharon saíram ilesos. A morte de Randhy foi extremamente lamentada por toda comunidade de rock, fazendo inclusive o Quiet Riot incluir algumas gravações de Randy no terceiro álbum de estúdio da banda, Metal Health de 1983.

Reprodução / Vale7
Reprodução / Vale7

3. Hillel Slovak, nascido em 13 de abril de 1962 em Haifa, Israel, foi o primeiro guitarrista e um dos fundadores do Red Hot Chilli Peppers, importante banda de funk e punk rock formada em 1983 na California. Slovak participou ativamente da gravação dos primeiros 3 álbuns da banda, The Red Hot Chilli Peppers, Freaky Styley e The Uplift Mofo Party Plan. Foi logo após a turnê deste terceiro álbum, que em 25 de junho de 1988, aos 26 anos, que Slovak faleceu devido a uma overdose de heroína. O guitarrista John Frusciante assumiu o lugar de Slovak para o quarto álbum da banda, Mother´s Milk de 1989, sendo que a nona música deste tem a guitarra da Hillel, a canção Fire.

Reprodução / Vale7
Reprodução / Vale7

4. Por último e um tanto mais marcante para muitos brasileiros, não podemos deixar de falar dos Mamonas Assassinas, querida banda que teve fim no trágico acidente na Serra da Cantareira, em 2 de março de 1996. Com o álbum A Fórmula do Fenômeno lançado em 1992 sob o nome de Utopia e como Mamonas Assassinas o álbum homônimo de 1995, 4 dos 5 integrantes da banda tinham menos de 27 anos no momento do acidente. Dinho, o carismático vocalista, tinha 24 anos; Bento Hinoto, o guitarrista, 25; Samuel Reoli, o baixista, 22, e seu irmão Sérgio Reoli, o baterista, 26; o tecladista Júlio Rasec era o membro mais velho da banda, com 28 anos.

Reprodução / Vale7
Reprodução / Vale7

A verdade é que não importa qual foi a causa da morte ou com que idade se foram, mas sim que o legado destes gigantes da música permanece vivo, cumprindo, assim, o propósito da famosa frase de Neil Young: O rock´n´roll nunca pode morrer!

Publicidade