Reprodução G1

Um documento anexado ao processo na 16ª Vara em Porto Alegre, impetrado pela Deputada Regina Becker (REDE), mostra que exames realizados nos cervos, entre 2016 e 2017, comprovam que os animais não estariam infectados pelo vírus causador da Tuberculose.

Os laudos foram assinados pelo veterinário Estanislau da Silva, e revelam resultado negativo a partir de teste de tuberculina. Ao portal de notícias G1, segundo o Ibama, o parque recebeu autorização da Secretaria Estadual da Agricultura para o abate, amparado por laudos que teriam comprovado a doença.

Pelo menos 20 animais já foram mortos, antes da repercussão do caso. Entre os abatidos, 4 eram fêmeas grávidas. Amostras das carcaças foram encaminhadas para um Instituto de Pesquisas em Guaíba, que afirmou ao G1, que em uma primeira análise, não há indícios de doença, precisando ainda de novos exames.

O médico veterinário e chefe do Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama-RS, Paulo Guilherme Carniel Wagner afirmou em entrevista recente que veterinários oficiais do Estado realizaram exames que comprovam a presença da doença nos animais. A definição de abate dos cervos, conforme Wagner, partiu dos proprietários

Outro lado
O Grupo Febernati, proprietário do Pampas Safari, não se manifesta sobre o caso. Os responsáveis afirmam que não estão no Brasil, no momento.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorPampas Safári: Ministério Público solicita exames e documentos sobre caso dos Cervos
Próximo artigoQuase uma centena de vias recuperadas em Gravataí
Apresentador de rádio nas emissoras da Rede Pampa de Comunicação. @kleriton

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite um comentário!
Por favor informe seu nome